sábado, 22 de janeiro de 2011

O tempo, o tempo não para...



Hoje de manhã acordei com uma doce voz me dando bom dia, 
e lembrei quão bom era quando voce estava comigo
Lembro da primeira vez que a ouvi, parecia musica em meus ouvidos.
Os primeiros toques de pele, o primeiro abraço, o primeiro beijo.
O cheiro de campim limão, e tuas mãos macias.
Da primeira sincronicidade.
E como diria o grande poeta:

"Cansado de correr
Na direção contrária
Sem pódio de chegada ou beijo de namorada
Eu sou mais um cara
  Eu vejo o futuro repetir o passado
Eu vejo um museu de grandes novidades
O tempo não pára 
               Não pára, não, não pára"     (Cazuza)


"Até quando o passado vai tocar
A ponto de mim, te afastar
Com a incerteza na mão
E o sangramento do teu coração
Com a proposta de esperar
Mas o tempo não há de parar.
Penso que isso tudo vai passar
E o meu amor por você prevalecerá
Assim espero, Deus mostrar..."
                                               João Átila

Bem que dizem, o mais belos versos são aqueles que a tristeza os tocam
Que Deus seja sempre nossa rocha forte

Nenhum comentário:

Postar um comentário