domingo, 12 de junho de 2011

Caminhando...


Seguir. 
Tão difícil é essa palavra nos momentos em que nos vemos perdidos...
É claro, que também é escuro.
Nestes dias em que me pego só, senti a falta d´Ele. 
Hoje abri meu coração e lá estava onde nunca saiu,
Meu Deus que nunca me abandona nos momentos de dificuldade. 
Assim como está sempre comigo quando riu e me divirto.
E por mais que ainda tenha sinta esse vazio, a sensação agora não é de estar perdido.
E de ver que me perderam.
Que tão posto ao lado de uma estátua fui colocado.
Como um desses anjos de praça, jogando toda água de si fora.
Hoje me vejo, mesmo que ainda tentando me erguer...
Como se asas quebradas tivera.
Mesmo que essas asas seja o amor, que por mim sentira.
E assim vou.
Caminhando.
Solitário como um lobo que um dia fui.
Mas diferente, agora posso voar.

Em homenagem ao 123° aniversário de Fernando Pessoa uma poesia de sua autoria.

Quando estou só reconheço
Se por momentos me esqueço
Que existo entre outros que são
Como eu sós, salvo que estão
Alheados desde o começo.
E se sinto quanto estou
Verdadeiramente só,
Sinto-me livre mas triste.
Vou livre para onde vou,
Mas onde vou nada existe.
Creio contudo que a vida
Devidamente entendida
É toda assim, toda assim.
Por isso passo por mim
Como por coisa esquecida.

Um comentário:

  1. Quando sabiamente vivida a solidão nos acrescenta algo novo e edificador, nela reencontramos em nós algo que parecia estar perdido, nela esbarramos n'uma parte de nós que nos revela e magnifica quando reconhecida...

    SAUDADES!!!

    ResponderExcluir